Hotelaria em Números 2012 indica crescimento em ocupação e receita

Edição recente da pesquisa da Jones Lang Lasalle tem como
base 400 hotéis em todo o Brasil

A Jones Lang LaSalle Hotels divulga esta semana na edição 2012 da pesquisa Hotelaria em Números que o setor hoteleiro no País segue em trajetória ascendente e que o lucro operacional bruto dos hotéis atinge um índice histórico de 36,5%, como resultado do crescimento contínuo do RevPar aliado à eficiência nas operações.

No Brasil, a taxa de ocupação cresceu 2,2% em 2011, na comparação ano contra ano, percentual semelhante ao da taxa de crescimento real do PIB no ano em questão (2,7%). A média de ocupação dos hotéis no País encerrou o ano com índice próximo de 70%. Nas diárias médias, o crescimento foi superior a 17,2% em 2011, em comparação com 2010, fazendo os hotéis urbanos registrarem a marca recorde de 20,5% de crescimento do índice RevPAR. Nos cinco primeiros meses de 2012, as taxas de ocupação ficaram em níveis ligeiramente mais baixos do que no mesmo período de 2011, muito embora as diárias médias tenham registrado uma alta taxa de crescimento – na casa dos 17,5%. O segmento de resorts registrou a mais forte recuperação em 2011, atingindo 50% de ocupação e receita total por quarto ocupado de R$ 683.

Considerando o parque hoteleiro nacional, os cerca de dez mil hotéis – o equivalente à oferta de 500 mil quartos – hospedaram mais de 5,4 milhões de turistas estrangeiros em 2011, representando crescimento de 5,8% na comparação com o ano anterior. Nos próximos três anos estima-se que esse universo seja acrescido de 38.854 quartos, considerando o lançamento de 238 novos projetos de hotéis em diversas localidades, especialmente nas 12 cidades-sede dos jogos da Copa do Mundo e outros destinos que têm atraído grandes projetos de infraestrutura, marcadamente nos setores de mineração, gás e refinarias de petróleo.

“No Brasil, ainda há muito espaço para crescimento no setor hoteleiro, em especial fora das principais cidades do país. Diferentemente de outras cidades que foram sede da Copa do Mundo e das Olimpíadas, São Paulo e Rio de Janeiro devem absorver a oferta adicional com mais facilidade e manter a demanda por bastante tempo após o término desses eventos esportivos, devido a já antiga escassez de oferta nessas cidades”, acrescentou Manuela Gorni, diretora da Jones Lang LaSalle Hotels no Brasil.

A pesquisa Hotelaria em Números é um relatório anual que a Jones Lang LaSalle Hotels desenvolve em parceria com o Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (Fohb). A última edição tem como base 400 unidades hoteleiras no Brasil, entre hotéis, condotéis e resorts. O relatório completo pode ser obtido no www.joneslanglasallehotels.com ou www.jllhss.com.

Confira mais notícias